Páginas

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Novamente 2012 e as histórias sem fim de Fim do Mundo.


 
Hoje no café da manhã minha mãe veio com uma surpreendente notícia: “O mar vai invadir Santos em dezembro, passou uma matéria na TV e a L... (uma vizinha) colocou a casa a venda para ir lá para o interior de Santa Catarina”. Bem, não acho o interior de Santa Catarina um bom lugar para quem quer se proteger das águas, ao menos muita água tem caído por lá nos últimos tempos... pensei quietinha: “Até tu, mãe”. Calmamente fui responder a ela: “mãe, não é assim, falo disso há tanto tempo...”, ao que ela me interrompeu e disse: “mas saiu na TV”. Fazer o quê? O que significa minha opinião em comparação ao “saiu da TV”. rsr

Não faço muito o tipo da hiena Harty, mas tenho que dizer: “eu te disse, eu te disse, eu te disse”, porque enquanto via aquele bendito Globo Repórter, comentei com amigos pelo Face que esse programa iria dar problema.

Por que? Em seus 40 minutos conseguiram colocar mais lenha na fogueira, para não usar outra expressão grosseira que caberia melhor aqui. É um tempo muito curto para falar de tantos assuntos polêmicos. Sabe aquele jogo de "mina" que vem em quase todos os computadores? Pois bem, no primeiro click explodiram tudo de uma vez. rs

Seriam necessários muitos programas para exaurir todos os assuntos de forma clara, estruturada, objetiva para  elucidar alguns fatos, como no caso das explosões solares e seus efeitos sobre a Terra. Inclusive, um dos entrevistados disse que o sol influencia nos terremotos terrestres. Isso, até hoje não foi comprovado e é absolutamente especulativo, leviano e sem fundamento algum fazer essa afirmação. Mas, quando alguém a faz em um programa com essa audiência, passa a ser “uma verdade”; saiu na TV.

Sim, saiu e corre aos ventos mais uma demostração da irresponsabilidade de nossa mídia

O problema é que as pessoas têm um encantamento por essas teorias apocalípticas, apesar do medo. É tipo atração fatal, não faz bem, não quer saber, mas ficam antenadas a tudo que diz respeito. AH!!. Não me excluo, só que desde que me entendo por gente aprendi a mergulhar fundo nos assuntos que me envolvem e não ficar na superfície recebendo informações da mesma forma que uma esponja absorve a água.

Percebo que para muitos parece ser uma benção que o mundo simplesmente acabe devido a um decreto divino, um mega terremoto, uma super explosão solar ou qualquer outro evento que elimine seus problemas, suas responsabilidades e suas culpas em um simples Bummmm.

Daria menos trabalho do que  transformar nossas vidas. O mundo que percebemos com nossos corpos aqui encarnados, ao final, é a soma de todas as vidas que estão nesse momento sobre o planeta. Nosso mundo é o reflexo da somatória do que Somos e manifestamos, temos a responsabilidade por nossos atos e nossas escolhas.

O sistema é ruim, injusto, imperfeito? Sim, ele representa a nossa própria imperfeição. Nos ver nesse espelho pode ser insuportável.

Seria bom que toda essa história sem fim de fim do mundo, auxiliasse ao menos na reflexão sobre que mundo queremos, ajudando a transformá-lo através de nossa transformação. Se isso estiver acontecendo teremos de fato o Fim desse Mundo e nascerá outra civilização nesse Planeta, porque seremos outros. Por isso prefiro falar em começo de um Novo mundo.

Consciências despertadas para relações saudáveis e fraternas com o meio, com nosso Ser e com os outros Seres. O que seria a natural evolução.

Como estamos longe da percepção do eterno e mundo algum é para sempre, assim como não o é essa nossa vida, essa conversa se espalha de forma irresponsável, agregando outros problemas aos já existentes. O medo leva a fugas e outras formas destrutivas de luta pela sobrevivência. Como vemos em filmes de catástrofe, a histeria mata mais que os eventos em si. A insegurança, falta de perspectiva, de amor, respeito ao próximo e conhecimento pode agravar problemas já muito sérios em nossa frágil sociedade.

Uma sociedade muito fragilizada, cujos valores que a sustentavam parecem estar desintegrando como se estivesse apodrecendo. Talvez porque já passou o tempo de mudarmos.

Bem, faz tempinho que não escrevo em meu Blog... Falta de tempo, outras tarefas e muita reflexão; mergulhos. Escrever só por escrever não é meu objetivo aqui, nem em qualquer outro lugar. Mas, voltei hoje para comentar sobre esse assunto e deixar uma palestra muito boa de Eckhart Tolle, sobre 2012 e o Fim do Mundo.
 
Essas palestras não são exibidas na TV, não dão audiência, mas são imensamente esclarecedoras. Espero que ajude na reflexão.

4 comentários:

  1. Respostas
    1. Sandra, o Eckhart Toller consegue deixar tudo tão simples..rs Isso é que é ter o dom da palavra.

      Excluir
  2. Denise13:28:00

    Excelente video Sandra, já leio tudo seu no painel global, agora te admiro mais.

    ResponderExcluir
  3. Oi Denise, obrigada. Bom que tenha gostado. Como falei acima para a Sandra, o Toller tem o dom da palavra, ele consegue explicar de forma muito simples, coisas que para nós parece tão complicada. rs.. Divulgar vídeos como esse e falar alguns de meus pensamentos aqui é o jeitinho que tenho de fazer alguma coisa de útil.rs Quem está precisando dessas sementinhas acaba vindo aqui... São poucos, mas o necessário. abraços e muita paz.

    ResponderExcluir

Recent Posts